Métodos de Aplicação do “Stucco”

O “stucco” é aplicado directamente, sem fasquiado, sobre substratos de alvenaria tais como tijolo maciço, pedra, betão ou tijolo furado. Mas sobre estruturas em madeira, o “stucco”, tal como o estuque, a sua contrapartida em interiores, deve ser aplicado sobre um fasquiado por forma a se obter uma adequada ligação que segure esse “stucco”. Assim, quando é aplicado numa estrutura de troncos de árvore, o “stucco” é aplicado sobre um fasquiado horizontal em madeira que foi pregado sobre sarrafos verticais fixados nos troncos. Se for aplicado sobre uma estrutura de madeira, o “stucco” pode ser aplicado a fasquias de metal ou de madeira pregadas directamente nessa estrutura de madeira; também pode ser aplicado num fasquiado que foi pregado sobre sarrafos. Estes sarrafos são assentes sobre papel de construção recobrindo o tabuado de madeira.

O fasquiado em madeira foi gradualmente substituído por um fasquiado em metal expandido aparecido entre os finais do século XIX e os princípios do século XX. Quando se aplicava “stucco” sobre um substrato de pedra ou de tijolo, era costume aprofundar-se ou “alegrar-se” as juntas de argamassa, caso elas não estivessem já reentrantes em consequência da natural exposição ao ambiente ou da erosão. Isto auxiliava a que se proporcionasse a necessária ligação para o “stucco” permanecer agarrado à alvenaria, de uma forma muito semelhante à proporcionada pelo fasquiado de madeira ou de metal, no caso dos edifícios em estrutura de madeira.

Tal como no estuque em interiores, o “stucco” era tradicionalmente aplicado por um processo multicamadas, por vezes consistindo em duas camadas, mas mais frequentemente em três. Quer fosse aplicado directamente sobre um substrato em alvenaria ou sobre um fasquiado de madeira ou de metal, consistia numa primeira camada “arranhada” ou “picotada”, seguida por uma segunda camada “arranhada”, por vezes referida como “floating coat” ou como “brown coat”, seguida finalmente pela camada de acabamento “finishing coat”. Até aos finais do século XIX, a primeira e a segunda camada tinham mais ou menos a mesma composição, consistindo geralmente em cal ou cimento natural, areia, por vezes argila, e um ou mais dos aditivos anteriormente referidos. Eram geralmente usadas palha ou crina animal adicionadas na primeira camada como agentes de ligação. A terceira camada, de acabamento, consistia principalmente numa mistura muito fina de cal, areia e, por vezes, pigmento. Conforme já referido, depois de 1820, o cimento natural também foi um componente do “stucco” até ter sido substituído pelo cimento Portland.

A alvenaria ou o fasquiado de madeira devem ser mantidos molhados ou húmidos para se garantir uma boa ligação com o “stucco”. Molhar-se estes materiais ajuda a evitar-se que eles retirem água ao “stucco” muito rapidamente, o que provocaria fissurações, perdas de ligação, e geralmente uma fraca qualidade de trabalho.