Historiografia Grega

Historiografia Grega

Foi na antiga Grécia onde nasceu o vocábulo História, que significa investigação. Isto deveu-se a civilização e pensamento grego a formação do espírito de historiador e a conseqüente construção racional da sabedoria.

Até ao século V ac, a historiografia Grega era cosmogônica e mítica. A história da humanidade estava dividida em cinco idades: Idade de Ouro, Idade de Prata, Idade de Bronze, Idade dos Heróis e Idade de Ferro.

Apesar de estar associada a mitologia religiosa, muitas das vezes politeístas (pela adoração de vários deuses) o mito grego das cinco idades mostra claramente a sua evolução tecnológica, visto que o desenvolvimento da humanidade está intimamente ligado ao uso de metais e a conquista do fogo. O mito das cinco idades constitui uma visão global da história da humanidade, marcada por um acontecimento central que é a conquista do fogo pelos homens, graças a ajuda de Prometeu.

A partir do século V ac, operam-se profundas transformações na sociedade grega, pois a escrita e o saber passam a ser de domínio público, bem como o desenvolvimento das cidades-estado (polis) onde reinava o regime democrático, principalmente em Atenas, o que permitiu que houvesse debates, a argumentação e a liberdade de pensamento. Foi esta democracia que permitiu aos gregos a se entregarem na pesquisa e especulação do mundo. Aliado a isso, existia uma grande prosperidade económica derivada do trabalho dos escravos e do domínio do mar mediterrâneo como principal rota comercial.

Recomendado para si:   Expansão e fixação bantu

Heródoto e Tucídides como fundadores da História

Heródoto-Tucídides
Heródoto e Tucideles

Heródoto de Halicarnanço (484-420 aC), é considerado pai da História. Com ele a História dá os primeiros passos da cientificação, já que:

  • A História passa a debruçar-se sobre o passado e o presente dos homens e não dos deuses;
  • Inaugura uma história genética, no sentido de se perguntar não somente o que aconteceu, mas também porque aconteceu, tentando encontrar o fio condutor da causa e efeito;
  • Introduziu no discurso histórico a noção de mudança, onde resulta o conceito de evolução inerente ao todo o acontecimento histórico;
  • A história preocupa-se em perceber a dicotomia passado-presente;
  • Heródoto não só fala e investiga a cerca dos gregos, mas também alarga a sua pesquisa ao povo Bárbaro, atingindo outras civilizações;
  • Propõe não somente reconstituir os factos, mas sobretudo descobrir a razão porque se deram;
  • Com Heródoto (que não se limitou a escrever sobre as guerras Pérsicas, mas foi também ao Egipto e a Mesopotâmia, sobre cuja história escreveu), há o reconhecimento do parentesco universal do Homem e se transforme num sentimento generalizado;
  • Tanto Heródoto como Tucídides fazem história a partir dos testemunhos fidedignos das fontes orais espalhadas por várias divindades;

Sem ser ainda uma ciência, a história ensaia com Heródoto os seus primeiros passos na senda da cientificação. Será a História uma Ciência do geral ou do particular? Aristóteles entendia que a História era o conhecimento do particular.

Recomendado para si:   Teorias sobre a partilha de África

Tucídides, continuador do pensamento de Heródoto, operou avanços significativos na História ao introduzir a análise e a explicação causal dos factos históricos, pois ele afastou-se das interpretações fabulosas que subsistiam em Heródoto e procurou uma inteligibilidade assente nas provas mediante uma investigação e crítica das fontes. Começa com Tucídides a História explicativa.

Característica da historiografia Grega

  • A historiografia Grega é humanista, científica e auto-eveladora, uma vez que procura não apenas a projecção do presente no futuro, mas principalmente ensinar com o presente a relação com o passado dos homens, objectivando mostrar o sentido dos factos humanos;
  • A historiografia grega é pragmática, pois procura obter do ocorrido uma lição proveitosa para o futuro.

Limitações da historiografia Grega

  • Foi limitada no tempo: o recurso documental restrito a tradição oral e os testemunhos oculares limitou o âmbito cronológico da história grega;
  • Foi limitada no espaço, uma vez que centrou o seu estudo às costas do mediterrâneo dando assim um carácter regional.
Baixar Documento