Um Passeio pelas Oficinas do Século XX – Pessoal, Materiais e Processos

Antes de discutirmos como é que as formas decorativas, tais como molduras, medalhões e caixotões podem ser reparados em obra ou em oficina pelos estucadores ornamentais, o “passeio pela oficinas” explica os processos tradicionais de moldagem usados assim como os materiais actualizados.

Um passeio pelas oficinas pode ser excitante mas confusa para o leigo, se este não receber algumas explicações sobre as actividades de execução de molduras e de outros moldados. Para um futuro cliente, uma visita à oficina do estucador ou à obra pode ter muito valor tendo em vista a escolha de um empreiteiro qualificado.

Oficina e pessoal – Geralmente, uma oficina bastante funcional deve parecer bem organizada – ou seja, não apresentar trabalhos antigos em confusão deixados por todo o lado, impedindo a produção actual. Deve ter moldes antigos em abundância, mas pendurados nas paredes ou “em fila de espera” de qualquer outra forma.

A maquinaria (serras e engenhos de furar) e a ferramenta manual deve parecer bem mantida. Em resumo, devemos poder avaliar essa oficina da mesma forma que uma oficina de automóveis: será que ela inspira confiança? Está na altura de olharmos para outras questões. Qual é a experiência da oficina em projectos anteriores? Estará mais firmemente envolvida em obras novas ou em reconstruções totais? Mais importante do que a oficina parece, estará o seu pessoal suficientemente experiente na execução de reparações em estuques ornamentais históricos? Como é que a equipa aprendeu o seu ofício? Quanto mais se souber sobre a totalidade da empresa melhor.

Esta oficina de estucador está muito bem organizada, com um amplo espaço de trabalho. Repare-se nos moldes limpos e suspensos das paredes.

Borrachas para moldes – A familiaridade com as actuais borrachas para moldes é fundamental. Existem diversas qualidades actualmente no mercado. Antigamente, os moldes flexíveis eram feitos com gelatina fundida numa panela dupla e escorrida sobre originais em gesso que tinham sido preparados com um agente isolante adequado. Entre as novas borrachas, o látex (pintado sobre o modelo, em camada sobre camada) é a mais consumidora de tempo e tem pouco rigor dimensional; o polisulfato distorce sob pressão; e o silicone é excessivamente caro. A borracha de uretano, com uma dureza de 30, é a preferida actualmente. Os uretanos são fabricados sob a forma de líquidos e de pastas tixotrópicas para que possam ser usados em superfícies verticais e invertidas. A pasta é especialmente útil para reproduções feitas em obra a partir da ornamentação existente; o líquido é preferível para trabalhos em oficina, tal como era feito historicamente com a gelatina. A borracha de uretano tem a capacidade de reproduzir pormenores tão minuciosos como uma impressão digital e não se degrada durante a execução da maioria das obras de estuque ornamental. Nenhum material flexível para moldes dura eternamente, pelo que devem ser guardados originais moldados para futura reprodução.

Estuque para moldagem – O estuque para moldagem também deve ser mencionado; é o produto actual mais semelhante ao que se usava historicamente. Este estuque é finamente pulverizado para que aceite os pormenores dos moldes de borracha, não tão duro que não se consiga trabalhar com a ferramenta, e combina-se prontamente com o acabamento a cal. Existe à venda estuque de alta resistência com densidades variadas, que se adiciona, por vezes, com diversas finalidades. A maioria das oficinas dispõe destas variedades, mas usa o estuque para moldagem nos seus trabalhos típicos.

Matrizes em folha de metal – A familiaridade do empreiteiro com a folha de metal é crítica. São necessárias matrizes com a forma de lâmina para se reproduzirem. quer as secções rectilíneas. quer as curvilíneas das molduras. As lâminas devem ser cuidadosamente recortadas, aperfeiçoadas e lixadas para que configuram exactamente as unidades reprodutivas. Uma visita a uma oficina de boa qualidade tem que incluir a observação das técnicas de corrimento e os resultados desta actividade devem ser evidenciados. Seja qual for o seu tamanho, estes moldes corridos devem ficar bem acabados e ser fidedignos quando executados por operários qualificados.

Modelos – Os modelos, se forem de capitéis, molduras, medalhões ou cartelas, são fabricados em unidades completas, ou em partes, conforme as exigências da obra. Integridade, dimensionamento rigoroso e atenção aos estilos históricos são ingredientes essenciais para moldados de sucesso. Cada parte de um moldado tem o seu nome, por exemplo, molduras em denteado, molduras em guilloche, molduras em rinceau, molduras em bolection, modillion, óvulos e dardos, pelo que os projectistas e restauradores destes ornamentos devem saber os respectivos nomes. As suas dificuldades na identificação correcta destas partes devem ser motivo de preocupação para um cliente em perspectiva.

Moldes – Os moldes são a “forma negativa” produzida a partir dos modelos. O enchimento dos moldes simples implica a aplicação de um separador ou de um revestimento barreira sobre o original e de uma cercadura para evitar que a borracha líquida escorra. Os moldes maiores ou mais complicados são feitos em partes ou com uma camada de borracha formada por cima de uma base em estuque (molde mãe) fixada a uma armação metálica ou de madeira. Depois da conclusão de um molde bem sucedido, o modelo original pode ser descartado porque passa a ser possível reproduzi-lo minuciosamente.

Enchimento dos moldes – As operações de enchimento devem parecer limpas e eficientes. O produto do trabalho de um artista habilidoso pode ser numeroso e parece frequentemente conseguido sem especial esforço durante a sua produção. As matérias primas são guardadas à mão, e os moldes raramente estão sem estuque a curar no seu interior, a produção é armazenada por forma a que não se distorça enquanto está húmida e cada ciclo, desde a mistura até ao enchimento, cura e desmoldagem é executado por forma a que não haja perdas de tempo nem quebras nas peças moldadas. Um bom moldador evita, geralmente, a necessidade de um departamento de acabamento.

Devem ser observados dois outros aspectos. As instalações de expedição são críticas para se deslocar o produto acabado para a obra de restauro, em segurança. Os espaços para projecto e desenho devem estar separados do andar da produção. Em resumo, a moderna oficina de estuque ornamental parece bastante diferente da que está atrás ilustrada nesta Nota Técnica mas, com a excepção dos materiais e das ferramentas modernas, as operações executadas são as mesmas. As secções seguintes discutem como actualmente são feitas reparações pelos artistas estucadores.