Apontamentos Orientações Gerais para a Reparação do “Stucco” Histórico

Orientações Gerais para a Reparação do “Stucco” Histórico

Um estucador profissional competente deve estar familiarizado com as propriedades dos materiais envolvidos na reparação do “stucco” e deve estar apto a evitar algumas das armadilhas que podem atraiçoar alguém menos experiente. As sugestões gerais para uma reparação de sucesso no “stucco” são paralelas às que envolvem o restauro e a reparação do reboco e do estuque históricos. Para além dessas, é importante que se recordem os seguintes princípios:

  • Amassar apenas a quantidade de “stucco” que pode ser usada em hora e meia ou duas horas. Este período vai depender do tempo (a argamassa endurece mais depressa em condições quentes e secas, ou soalheiras); a experimentação é o melhor guia. Toda a argamassa restante deve ser rejeitada; nunca deve ser retemperada.
  • A argamassa para “stucco” não deve ser excessivamente amassada. (Amassar manualmente durante 10 a 15 minutos após a adição da água, ou amassar mecanicamente durante 3 a 4 minutos após a colocação de todos os componentes na betoneira). A amassadura excessiva pode provocar manchas e descolorações, especialmente nas argamassas pigmentadas. A amassadura excessiva também pode provocar uma presa demasiadamente rápida, que pode resultar em fissurações ou numa fraca ligação, ou aderência, ao fasquiado ou ao substrato de
    alvenaria.

O fasquiado de madeira ou o substrato de alvenaria, mas não o fasquiado metálico, deve ser cuidadosamente molhado antes de se aplicarem remendos no “stucco” para que este não retire muito rapidamente humidade à argamassa. Até certo ponto, os agentes de ligação também servem para o mesmo efeito. A molhagem do substrato ajuda a atrasar a secagem.

Recomendado para si:   O Mecanismo da Corrosão

Para se evitarem as fissurações, é imperativo que o “stucco” não seque depressa demais.

Portanto, a área que vai ser revestida a “stucco” deve ser sombreada ou mesmo coberta, se possível, especialmente em tempo quente. Também é boa ideia, no tempo quente, manter-se humedecido o “stucco” acabado de aplicar, a aproximadamente 90% de humidade, durante um período de 48 a 72 horas.

As reparações no “stucco”, tal como outros trabalhos exteriores de pedreiro, não devem ser executadas em tempo frio (abaixo dos 40o F; de preferência mais quente), ou se houver risco de congelamento.