Míldio

Causas da condição – O míldio é provocado por fungos que se alimentam dos nutrientes contidos na película de tinta ou na poeira aderente a todas as superfícies. Como a humidade é o factor isolado mais importante no seu crescimento, o míldio tende a florescer em áreas onde a humidade e a falta de luz solar são problemas, tais como peitos de janelas, faces inferiores de beirados, em redor de caleiras e de tubos de queda de águas pluviais, no lado Norte dos edifícios, ou nas áreas sombrias perto de arbustos. Por vezes, pode ser difícil distinguir-se o míldio da poeira, mas há um teste muito simples para os diferenciar: se deitarmos uma gota de lixívia doméstica sobre a superfície suspeita, o míldio fica imediatamente branco enquanto que a poeira continua a parecer-se com poeira.

Tratamento recomendado – Como o míldio só pode existir em áreas sombrias, quentes e húmidas, deve ser prestada atenção às alterações de ambiente que sejam indutoras do crescimento de fungos. A área em questão pode estar sombreada por árvores que necessitem de ser podadas para permitirem que a luz do sol atinja o edifício; ou podem faltar goteiras ou drenagens adequadas na base do edifício. Se uma condição sombria e húmida poder ser alterada, é menos provável que o míldio reapareça. Uma solução recomendada para a remoção do míldio consiste numa chávena de detergente amoniacal, um quarto de lixívia caseira e um balde de água. Quando a superfície for esfregada com esta solução usando-se uma escova medianamente macia, o míldio deve desaparecer; no entanto, para manchas especialmente persistentes, pode-se adicionar um quarto de lixívia a mais.

Depois de uma área ficar livre de míldio, deve ser enxaguada com um jacto directo de água de uma mangueira de rega, deixando-se secar completamente. Quando se repinta, deve ser usado um primário e um acabamento “resistente ao míldio” especialmente formulados.