Identificação da Condição da Superfície da Tinta Exterior/ Tratamentos Recomendados

Assume-se que já foi feita uma verificação preliminar para se determinar, em primeiro lugar, se as superfícies pintadas exteriores são mesmo de madeira – e não de “stucco”, metal ou de outros substitutos da madeira – e, em segundo lugar, que a madeira não está degradada até um ponto tal que a sua repintura seja supérflua. Por exemplo, se alguma área de madeira nua, tal como um peito de janela, esteve exposto durante um período de tempo muito longo à água estagnada, há uma forte possibilidade de existir alguma podridão da madeira. Antes da repintura, deve haver lugar para a reparação ou para a substituição da madeira apodrecida. Depois de terem sido resolvidas estas duas questões básicas, pode começar o processo de identificação da condição da superfície.

O edifício histórico vai exibir, sem dúvida, uma certa variedade de condições nas superfícies pintadas exteriores. Por exemplo, a tinta do tabuado de madeira e das portas pode estar firmemente aderente; a tinta dos beirados pode estar a descascar; e a tinta das balaustradas do alpendre e dos peitos das janelas pode estar fissurada e descamada. A identificação rigorosa de cada problema da pintura é, portanto, o primeiro passo no planeamento de uma solução global apropriada.

As condições das superfícies pintadas podem ser agrupadas de acordo com a sua gravidade relativa: as condições de Classe I incluem as mazelas menores ou a sujidade acumulada e, geralmente, não requerem nenhuma remoção de tinta; as condições de Classe II incluem a degradação da camada ou das camadas superficiais da tinta e requerem, geralmente, remoções de tinta limitadas; as condições de Classe III incluem as degradações substanciais de uma camada ou de múltiplas camadas e, geralmente, requerem a remoção total da tinta. É, precisamente, porque as condições vão variar tanto entre diferentes pontos de um edifício que é crítico proceder-se a uma inspecção cuidadosa. Devem ser examinados todos os elementos exteriores pintados de carpintaria (ou seja, tabuado, portas, janelas, beirados, portadas e elementos decorativos) no início da fase de planeamento e as condições das suas superfícies devem ficar anotadas.