Apontamentos Degradação ambiental salina

Degradação ambiental salina

A degradação ambiental salina tem sido alvo de atenção crescente por parte dos investigadores, nos anos mais recentes.

A partir de observações em cidades e de estudos laboratoriais, tornou-se evidente que os danos causados pela degradação ambiental salina ocorrem de uma forma não muito diferente daquela que tem lugar quando a água congela no interior da pedra.

No entanto, actualmente parece que a degradação ambiental salina é, provavelmente, o mais importante agente da degradação da pedra nas cidades.

Isto é assim porque a cristalização de sais e os danos a ela associados podem ocorrer sempre que uma pedra contaminada com sais é molhada e depois seca, enquanto que o congelamento ocorre com uma frequência relativamente pequena e muitas pedras não são susceptíveis à dissolução.

A degradação ambiental salina tem sido alvo de atenção crescente por parte dos investigadores, nos anos mais recentes.

A partir de observações em cidades e de estudos laboratoriais, tornou-se evidente que os danos causados pela degradação ambiental salina ocorrem de uma forma não muito diferente daquela que tem lugar quando a água congela no interior da pedra.

No entanto, actualmente parece que a degradação ambiental salina é, provavelmente, o mais importante agente da degradação da pedra nas cidades.

Isto é assim porque a cristalização de sais e os danos a ela associados podem ocorrer sempre que uma pedra contaminada com sais é molhada e depois seca, enquanto que o congelamento ocorre com uma frequência relativamente pequena e muitas pedras não são susceptíveis à dissolução.

Recomendado para si:   Convenção para a protecção do património mundial, cultural e natural - Realizada de 17 de Outubro a 21 de Novembro de 1972, em Paris

Existem diversos mecanismos pelos quais os sais podem danificar as pedras. Quando as pedras são molhadas pela chuva ou pela condensação, os sais são dissolvidos e transportados para o interior dos poros.

Assim que a secagem começa, a evaporação origina o crescimento de cristais, o qual pressiona os grãos circundantes.

Enquanto a solução de sais dentro das bolsas de cristais se mantiver saturada, estes continuarão a crescer contra a pressão confinante da pedra envolvente. Os humedecimentos e secagens repetidos e as resultantes expansões e contracções podem, eventualmente, conduzir a uma rotura física da pedra.

Para além das pressões de cristalização, existem sais, entre eles o sulfato de cálcio, que reagem a variações críticas de temperatura e de humidade relativa, pela absorção ou libertação de moléculas de água.

Esta hidratação e desidratação obriga os sais a expandirem e contraírem, o que também pode exercer pressões sobre a pedra envolvente. O que torna este mecanismo importante é que esses limiares de temperatura e de humidade podem ser atravessados diversas vezes durante um só dia, produzindo numerosos ciclos de expansão e contracção que levam à fadiga da pedra.

Finalmente, se os poros estiverem cheios com sais que tenham elevados coeficientes de expansão térmica, mais elevados que o da pedra, o subsequente aquecimento irá obrigar os sais a expandirem mais rapidamente e a exercerem pressão sobre a pedra envolvente.

Existem algumas dúvidas sobre a real eficácia da expansão térmica diferencial, mas ela pode perfeitamente contribuir para o colapso, mesmo que outros mecanismos também estejam presentes.

Recomendado para si:   3 Tipos de Rebocos
Baixar Documento