Os Estilos Revivalistas promovem o uso do “Stucco”

A introdução de muitos estilos revivalistas na arquitectura, por volta do início do século XX, combinada com o melhoramento e o aumento da produção do cimento Portland resultou numa “loucura” pelo “stucco” como material de construção nos Estados Unidos. Começando por volta de 1890 e ganhando importância nas décadas de 1930 e de 1940, o “stucco” foi associado a certos estilos arquitectónicos, entre os quais: “Prairie”; “Art Deco” e “Art Moderne”; Revivalismos “Spanish Colonial”, “Mission”, “Pueblo”, “Mediterranean”, “English Costwlod Cottage” e “Tudor”; assim como nos omnipresentes “bangalows” e casas “four square”. A fixação pelo Revivalismo “Spanish Colonial”, e outras variações sobre este tema, foi especialmente importante na promoção do “stucco” como material de construção nos Estados Unidos durante este período, já que o “stucco” se parecia mesmo com o adobo.

O acabamento a “stucco” da Arlington House, Arlington, Virginia, foi marmoreado em 1850, aproximadamente 30 anos após a sua construção.

Apesar de os edifícios em “stucco” estarem especialmente presentes na Califórnia, no Sudoeste e na Florida, ostensivamente em consequência da sua ascendência Espanhola, este período também espalhou edifícios revestidos a “stucco” por todos os Estados Unidos e Canadá. A popularidade do “stucco” como material barato e fácil de adquirir significou que por volta de 1920, ele era usado numa crescente variedade de tipos de edifícios.

Empreendimentos hoteleiros, edifícios habitacionais, mansões particulares, cinemas, estações de caminho de ferro e até fábricas de gás e pátios turísticos retiraram vantagens do “romance” destes estilos, e adoptaram a construção com “stucco” que se tinha tornado no sinónimo desses estilos.