Apontamentos As políticas públicas postas em prática são inoperantes, senão agravantes

As políticas públicas postas em prática são inoperantes, senão agravantes

  • Os dispositivos específicos são inoperantes: acordos colectivos departamentais que só reservam 3 a 6% das atribuições de alojamentos sociais às famílias diminuídas, FSL que levantam numerosos impedimentos e regras de exclusão, planos departamentais para a habitação dos mais diminuídos que ainda não prepararam ferramentas fiáveis de avaliação das necessidades, número departamental único de pedido HLM que não toma em linha de conta a antiguidade do pedido, recusas de atribuição que raramente são fundamentadas, tratamento do saturnismo infantil que não prevê o realojamento.
  • A subida dos níveis de recursos, nos últimos anos, tornaram 75% dos arrendatários acessíveis a uma habitação social clássica (dispositivo “Prêt Locatif Aidé”).
  • A produção de habitações sociais permanece historicamente fraca: A obrigatoriedade de 20% de habitações sociais gera um efeito de barragem nas comunas que já ultrapassaram essa quota. Os investidores sociais privilegiam a valorização do seu património (destruição das habitações HLM acolhendo famílias mais pobres, reabilitações pesadas). A subida em flecha das demolições de habitações sociais (a ambição é de 30.000 por ano), completada por reestruturações interiores e por vendas, colocam em perigo o aumento da oferta de habitações sociais.
  • O programa de demolições massivas de HLM está operacional, graças ao apoio do 1% patronal, sem tomar em conta a opinião dos habitantes, e sem cláusula social que preveja a reinserção urbana das populações despojadas.
  • O número de habitações devolutas nas grandes aglomerações continua a aumentar.
Recomendado para si:   Preservação e Reparação do “Stucco” Histórico
Baixar Documento